17/11/2023 13:25 |
Paraná estabelece normas para destinação de animais mortos por esporotricose
O Governo do Paraná emitiu uma resolução que estabelece procedimentos para o recolhimento e destinação final adequada de carcaças de felinos e demais animais com suspeita ou confirmação diagnóstica de esporotricose, uma doença causada por um fungo que pode afetar humanos e animais, principalmente os gatos. A resolução publicada nesta semana no Diário Oficial foi elaborada conjuntamente pela Secretaria do Desenvolvimento Sustentável, a Sedest, Instituto Água e Terra e secretaria estadual da Saúde. A Resolução Conjunta é resultado de um grupo de trabalho instituído em agosto deste ano, determina que a destinação final adequada para as carcaças de animais com esporotricose é a incineração, e que os tutores de animais com suspeita ou diagnóstico da doença devem informar a sua morte aos serviços de meio ambiente, vigilância em saúde ou outro serviço municipal responsável para recolhimento da carcaça, que deve ser mantida isolada em saco plástico. Segundo Fernanda Góss Braga, bióloga e coordenadora de Patrimônio Natural e Educação Ambiental da Sedest, as medidas são necessárias para conter a disseminação da doença. 

No último ano, os casos da doença mais do que dobraram no Paraná. Segundo dados da Secretaria da Saúde, foram 793 animais notificados com esporotricose em todo o ano de 2022, número que subiu para 2 mil 274 até o mês de outubro deste ano. Já em humanos, os casos saltaram de 215 para 660, na comparação entre os dois períodos citados. As regionais de saúde Metropolitana de Curitiba, de Foz de Iguaçu e de Paranaguá são que apresentam maior incidência. O tratamento é feito com medicamentos antifúngicos, e a prevenção envolve cuidados com a higiene e o manejo dos animais. Atualmente, no Paraná, a população pode receber a medicação contra a doença gratuitamente, desde que haja diagnóstico por um médico. Já os animais recebem o medicamento a partir da notificação na Vigilância em Saúde, com o diagnóstico fornecido pelo médico veterinário. Para animais encontrados mortos em espaços públicos ou terrenos vazios, a resolução adota os mesmos procedimentos e condições estabelecidos para o recolhimento e acondicionamento das carcaças, e prevê que qualquer pessoa deve comunicar o fato aos serviços municipais para que procedam ao seu recolhimento. Os municípios têm 120 dias para se adaptar e atender a nova regulamentação.


Fonte: Agência Estadual de Notícias
Foto: Sindicato Rural
OUTRAS NOTÍCIAS
Previsão do tempo (M. C. Rondon)
Hoje
16°C
29°C
Parcialmente Nublado
Amanhã
19°C
28°C
Parcialmente Nublado
21 / 06
16°C
28°C
Parcialmente Nublado
Cotações agrícolas
R$ 48,00
R$ 120,00
R$ 75,00
R$ 2,64
R$ 6,63
R$ 210,00
R$ 5,44

Sem negociau00e7u00e3o.